Cómo citar
Brandão dos Santos B. (2016). Guerra as drogas em sua teoria e prática: análises sobre proibicionismo, vício e dependência química. Cultura y Droga, 21(23), 13-33. Recuperado a partir de https://revistasojs.ucaldas.edu.co/index.php/culturaydroga/article/view/3219

Autores/as

Beatriz Brandão dos Santos
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
bia.brandao18@hotmail.com
https://orcid.org/0000-0002-1481-8634

Resumen

Objetivo. Analisar a ambivalência dos conceitos de adicção e dependência, enfocando as relações subjetivas no uso do crack, um lógica proibicionista. Metodologia. O artigo é orientado em uma pesquisa bibliográfica e teórica com a contribuição analítica da conjuntura. Resultados. Os conceitos de adicção e dependência têm diferentes significados de moralidade, e precisam de mais análise e atenção, pois delineiam discursos e práticas sociais e suas conseqüências. Conclusões. Temos uma estratificação de drogas quase institucionalizada. A distinção moral e social das substâncias produz uma diferenciação entre seus usuários e, nesta escala, os usuários de crack estigmatizados ocupam um lugar.

Becker, H. (1993). Problemas de inferência e prova na observação participante. Métodos de pesquisas em ciências sociais. São Paulo, Brasil: Editora Hucitec.

Becker, H. (2008). Outsiders. Estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Carneiro, H. (1994). Filtros, mezinhas e triacas: as drogas no mundo moderno. São Paulo, Brasil: Xamã.

Fiore, M. (2012). O lugar do Estado na questão das drogas: o paradigma proibicionista e as alternativas. Revista Novos Estudos, 92, 9-21.

Fiore, M. (2013). Uso de drogas: substâncias, sujeitos e eventos (tese de pósgraduação). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.

Goffman, E. (1988). Estigma: notas sobre a manipulação da Identidade deteriorada. Rio de Janeiro, Brasil: Editora Guanabara.

Hart, C. (2014). Um preço muito alto: a jornada de um neurocientista que desafia nossa visão sobre as drogas. Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Labate, B. (2004). A reinvenção do uso da ayahuasca nos centros urbanos. Campinas, Brasil: Mercado de Letras, FAPESP.

Labate, B. (2008). Introdução. En Labate, B. et al. (Org.). Drogas e cultura: novas perspectivas. Salvador, Brasil: EDUFBA.

Medeiros, R. (2010). Clínica e croni (cidade): impactos do uso/abuso do crack na configuração urbana e nos tratamentos da toxicomania. En Medeiros, R. e Sapori, L.F. (Org.). Crack: um desafio social. Belo Horizonte, Brasil: Editora PUCMINAS.

Misse, M. (2010). Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos sobre uma contribuição analítica sobre a categoria de bandido. Lua Nova. Revista de Cultura e Política, 79, 15-38.

Rodrigues, L. (2006). Controle penal sobre as drogas ilícitas: o impacto do proibicionismo no sistema penal e na sociedade (tese de pós-graduação). Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Rui, T. (2007). Uso de “drogas”, marcadores sociais e corporalidades: uma perspectiva comparada (tese de pós-graduação). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.

Rui, T. (2014). Nas tramas do crack: etnografia da abjeção. São Paulo, Brasil: Terceiro Nome.

Simões, J. (2008). Prefácio. En Labate, B. et al. (Org.). Drogas e cultura: novas perspectivas. Salvador, Brasil: EDUFBA.

Vargas, E. (2001). Entre a extensão e a intensidade: corporalidades, subjetivação e uso de drogas (tese de pós-graduação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Vargas, E. (2006). Uso de drogas: a alter-ação como evento. Revista de Antropologia, 49 (2), 581-623.

Velho, G. (1998). Nobres e anjos. Um estudo de tóxicos e hierarquia. Rio de Janeiro, Brasil: Fundação Getulio Vargas Editora.

Werebe, S. (1982). Aspectos socioeconômicos da toxicomania. En Sanchez, A. et al. Drogas e drogados: o indivíduo, a família, a sociedade. São Paulo, Brasil: EPU.
Sistema OJS - Metabiblioteca |